Ontem resgatei umas fotos de uma viagem que fiz à Barcelona em 2008. Foi minha primeira vez nessa cidade. Impossível ficar imune ao excesso de referências de Barcelona. De prédios muito modernos à arquitetura de Gaudi (uai, que também é moderna pra caramba de uma certa maneira). Da imponência do ‘Porto Olímpico’ e Barceloneta ao histórico bairro gótico. Como diria o poeta, andar por Barcelona é ‘ver a vida pela extremidade errada de um telescópio’.

 

É muita referência diversa. Das que nos tiram do óbvio, e nos provocam, sabe?

 

Corta para Belo Horizonte.

 

Lembra quando o ‘Rainha da Sucata’ foi construído na cidade? Aquela arquitetura indigesta no meio das clássicas construções da Praça da Liberdade. BOOM! Impossível ficar imune. Pro bem ou mal, o debate aflorou e fez da praça assunto nos botecos de BH por um bom tempo.

 

Lancei meu terceiro livro, sobre a jornada ao Monte Kilimanjaro, na Tanzânia, ali na Savassi. Bairro tradicional de uma cidade com apenas 120 anos. Vale escrever novamente, apenas cento e vinte anos. O lançamento aconteceu na Galeria da Casamirador. Mas o que seria a Casamirador?

 

Um empreendimento que te faz ver a vida pela extremidade errada de um telescópio. Uma arquitetura que vai acolher e provocar os mais diversos sentimentos de quem estiver por ali. Não vai dar pra ficar imune. Os empreendedores da Casamirador sabem disso, os lofts, apartamentos e espaços à venda navegam em algum oceano entre o diverso e o extremo.

 

E, cá entre nós, BH precisa disso, cada vez mais. Não somos uma cidade de construções ousadas. Precisamos proteger e restaurar a arquitetura mais antiga, valorizar as coisas que Niemeyer cravou por aqui, mas também dar um tapa de mão aberta em todos nós com a seguinte mensagem: podemos ser referência, somos referência.

 

Aliás, deixo aqui meus parabéns ao Gustavo Penna, que ‘arquitetou’ o Ateliê Wals e acaba de conquistar o Prix Versailles da Unesco como melhor obra arquitetônica de restaurante das Américas!

 

E Casamirador, que seu destino seja provocar acolhimento.

 

Belo Horizonte é sinistra!